01 - Novembro 2008

 

EDITORIAL

Este blog, semente de um portal, nasceu bem antes da internet, nos anos 80, quando começamos a ler e conhecer projetos sobre energias renováveis. O projeto foi tomando forma no início dos anos 90, às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, que ficou mais conhecida como Rio-92. 

Cresceu e se fortaleceu durante a cobertura jornalística de diversos temas e eventos na área de meio ambiente, para diversos veículos da imprensa brasileira e alguns da imprensa internacional. Finalmente tornou-se viável com o desenvolvimento da internet no mundo e no Brasil, no final dos anos 90 e nesta primeira década do século XXI.

Vimos o Projeto Pró-Alcool nascer, crescer e quase morrer, no Brasil. Acompanhamos ao vivo os dois choques do petróleo, as pesquisas sobre poluição, efeito estufa, mudanças climáticas. Lemos, pela primeira vez, sobre o biodiesel em meados dos anos 80. Ouvimos notórios cientistas afirmarem, com a mais absoluta certeza, que a energia solar e a eólica jamais seriam viáveis economicamente. 

Mais recentemente ouvimos de chefes de Estado e de governo, altos dirigentes e conselheiros de organizações internacionais afirmarem que os biocombustíveis iriam comprometer a produção de alimentos e seriam os responsáveis pelo aumento da fome no mundo…

Mas, queiram eles ou não reconhecer, as evidências estão aí: nem mesmo a recente redução nos preços do barril de petróleo permite ao mundo – seja o desenvolvido, o emergente ou o mais pobre – esconder o sol com a peneira. 

As mudanças climáticas e o futuro do planeta exigem uma mudança de paradigma. Mais do que isso: uma mudança de civilização, em âmbito planetário. 

Mudança para uma civilização verde, que nos cobra também mudança de conceitos, de padrões de consumo, de visão do mundo. As novas ameaças (nem tão novas assim) que não enxergam fronteiras nos impõem a todos o fim dos conceitos de primeiro, segundo, terceiro e até quarto mundos. Elas exigem de todos os países, de todos os governos, de todos os povos - sem exceção – uma nova atitude.

Queremos refletir este mundo em mudanças, e sobre estas mudanças, analisar, informar, contribuir.

Sejam todos bem-vindos ao webioenergias.com.br 

————————————————————————

EDITORIAL

This blog, which is the seed of a website, was born long before the Internet, during the 80s, when we began reading and knowing about renewable energies projects. Our project started to be shaped at the beginning of the 90s, on the eve of the United Nations Conference on Environment and Development, also known as Rio-92.

This new creature grew up and got stronger during our journalistic coverage of many events and subjects in the environment field, for different press media, both from Brazilian press and international press. Finally it became feasable with the development of Internet in Brazil at the end of the 90’s and in this first decade of XXI century. 

We saw the Pro-Alcohol Project to be born, to grow and to almost die, in Brazil. We followed very closely the two oil shocks, the new researches on air pollution, greenhouse effect, climate changes. We have read about biodiesel, for the first time, in middle of the 80’s. We have listened worldwide famous scientists affirming, with absolute certainty, that solar and wind energy would never be economically possible. 

Recently, we have listened to heads of State or government, CEOs and distinguised counselors for international organizations to affirm that biofuels would compromise food production and would be responsible for increasing hunger in the world… 

But either they want to recognize it or not, evidences are there. In spite of the recent decrease in the oil price, the world - either the industrialized, or the emergent or the poorest one – cannot anymore to hide the evidences that the climate changes and the future of the planet demand a paradigm change. 

More than that: a civilization change, at a planetary level. 

A change toward a green civilization, that requires us at the same time important changes in concepts, consumption standards, world vision. These threats (not so new) that don’t respect national nor continental borders, impose us all to stop thinking in terms of first, second or third, or even fourth worlds. They require from all countries, all governments, all people - without exception - a new attitude. 

We want to reflect this changing world, to analyze these changes, to inform, to contribute. 

Welcome all to webioenergias.com.br