Archive for » junho, 2009 «

terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin

The Hungarian Association of Environmental Enterprises organizes the first ÖKOINDUSTRIA International Exhibition on Environmental Industry that will be held on 18-20 November, 2009 in Budapest.
The current economic crisis ensures a special timeliness to this event and the environmental industry should be considered as the global breakout point for the whole economic sector, thus the focus should be on environmental industry instead of consumption.
At the exhibition the following target audience will have representatives: government sector, municipalities, local and international environmental industry, professional associations. ÖKOINDUSTRIA covers wide range of themes, such as, waste treatment, usage of secondary raw material, water, air, renewable energy resources, soil, energy efficiency, biotechnology, noise and vibration protection.
This exhibition provides a unique opportunity to introduce the latest environmental innovations, technologies, services and to provide a platform for information exchange, technology transfer and professional cooperation.
High quality side events and conferences will run parallel the exhibition covering various topics, such as biogas, drinking water, recycling of end-of-life vehicles and inert waste. Moreover, international business meetings with companies from 45 countries will also be held.
ÖKOINDUSTRIA - - www.okoindustria.hu - aims to attract international visitors with priority to Central and Eastern-Europe, in order to become the leader exhibition of this region.

terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin
The number of job  openings in the renewable energy sector grew in the first quarter
of 2009 compared to the same period in 2008, in Germany.
Compared to 2008, there were 25% more job offers, says a survey presented by the
Science Boutique in Bonn and the Federal Renewable energy office (BEE) at the
inauguration  of the national renewable energy training and employment fair in
Gelsenkirchen.
"A trend which is the opposite of the economic crisis has been maintained for the
fourth year running," said Theo Bühler, an expert on the job market at the Science
Boutique in Bonn who studied the renewable energy market on behalf of the Federal
Environment Ministry for the first time .
"While the world economy is sinking deeper into a serious crisis, the renewable
energy sector is still a reliable source of job creation in Germany," said Dietmar
Schütz, president of the BEE.
The BEE expects 500,000 jobs to exist in the sector by 2020, 220,000 more than today.
Not all regions benefit equally from the renewable energy dynamic, as the survey
shows. Lower Saxony has the most jobs (14%), followed by Rhineland Palatinate
(12.9%) and Baden-Wurtemberg (11.2%).
In Rhine-Westphalia, where 20% of the German population lives, the experts only
identified 6% of job offers in the renewable energy sector.
The survey shows that 45% of job offers were for engineers. Almost 32% were for
technicians and specialised workers. Sales representatives are also greatly in
demand (17%), as are scientists (13%).

Umwelt Magazin, Germany
terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin
Emissions of greenhouse gases from EU businesses participating in the EU Emissions
Trading System (EU ETS) fell 3,06 % in 2008 compared with a year earlier, according
to the information provided by Member State registries. With the 6.5% reduction in
emission allowances that the Commission has secured for the second trading period,
the EU ETS really started to make a difference to emissions in 2008. Last year
marked the beginning of the second trading period of the EU ETS, which runs from
2008 to 2012.
Environment Commissioner Stavros Dimas said: "The 3 per cent reduction was partly
due to businesses taking measures to cut their emissions in response to the strong
carbon price that prevailed until the economic downturn started. It confirms that
the EU has a well functioning trading system, with a robust cap, a clear price
signal and a liquid market, which is helping us to cut emissions cost-effectively.
This should encourage other countries in their efforts to set up comparable domestic
cap-and-trade systems, which we would like to see linked up with the EU ETS to
create a stronger international carbon market."
Verified emissions of greenhouse gases from all installations in the EU ETS in 2008
totalled 2.118 billion tonnes of CO2-equivalent. 2008 emissions (excluding those of
Bulgaria, Liechtenstein and Norway where 2007 data is incomplete or unavailable)
were 3,06% lower than the 2007 level. Emissions were reduced despite GDP growth in
the EU-27 of 0.8% last year.
While the economic slowdown was felt strongly in the sectors covered by the EU ETS,
the drop in emissions was also due to emission reduction measures undertaken by
installations in reaction to the robust carbon price which prevailed for most of
2008 before the onset of the recession.
While the EU ETS had previously covered only emissions of carbon dioxide (CO2), from
2008 onwards it also includes emissions of nitrous oxide from the production of
nitric acid in the Netherlands and in Norway.
The number of installations with open accounts, i.e. those participating in the
system, was 11,359 in 2008, which is 213 fewer than in 2007. This reduction resulted
from the application of a rule that took many smaller installations out of the
system.
Despite this, the volume of emissions covered by the EU ETS expanded to activities
with emissions amounting to around 50 million tons of CO2-equivalent last year due
to Member States adopting a more harmonised interpretation of definitions of
activities covered.
In addition, Iceland, Liechtenstein and Norway joined the EU ETS in 2008 (although
at present no installations in Iceland are covered).
Of all the installations participating in the scheme last year, 0,9% did not
surrender the required quantity of allowances by the deadline of 1 May 2009. These
installations are typically small and together they account for less than 0,5% of
all emission allocations in the EU.
2,2% of the installations, accounting for 0,1% of all emission allocations in the EU
failed to submit verified emissions for the year 2008 before 1 May 2009.
Last year it was possible for the first time for installations to surrender emission
credits generated through the Kyoto Protocol's flexible mechanisms in order to
offset part of their emissions.
CERs accounted for 3.9% of all surrenders. 41% of these originated in China, 31% in India, 15% in South Korea and 7% in Brazil, with a
further 14 countries of origin accounting for the remaining 5%.
ERUs accounted for only 0.002% of all surrenders. The combined CER and ERU
surrenders in 2008 used up only roughly 6% of the approximately 1.4 billion credits
that are allowed over the 2008-2012 trading period.
92% of the surrenders were allowances which had been given to installations for free
while the remaining 4.1% of surrenders were of allowances either purchased in
auctions or free allowances allocated for 2009.
The second trading period of the EU ETS began on 1 January 2008 and runs for five
years until 31 December 2012. This period coincides with the period during which
industrialised countries must meet their Kyoto Protocol emission targets. The EU ETS
will be substantially reformed for the third trading period, which will start on 1
January 2013 and run until 2020. The legislation revising the Emissions Trading
Directive was adopted as part of the EU climate and energy package on 23 April 2009.
Under the EU ETS, installations are required to submit their verified emissions data
for each year to Member State registries. For 2008 this data became publicly
available on the Community Independent Transaction Log (CITL) on 1 April 2009. From
15 May onwards the CITL also displays compliance data, with information on whether
installations have complied with their obligations to surrender an amount of
allowances equal to last year's verified emissions.
terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin

Corredor em São Paulo estreia coletivo movido a hidrogênio em 1º de julho; Brasil é um dos seis países capazes de construir veículo do tipo

A partir de 1º de julho, os usuários do corredor de ônibus Jabaquara-São Matheus (que vai da zona sul à zona leste da cidade de São Paulo, cortando 33 km) poderão encontrar um coletivo diferente. Silencioso, de cor azul clara , vidros escuros, com ar-condicionado, é assim que o primeiro ônibus movido a hidrogênio do Brasil se apresentará a seus passageiros.
Fruto de cinco anos de trabalho de um projeto que envolve Ministério do Meio Ambiente, EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), PNUD e GEF (Fundo Global para o Meio Ambiente), o ônibus não emite um miligrama de poluição.
O hidrogênio é combinado, por meio de reações químicas, com o oxigênio da atmosfera, gerando uma corrente elétrica que move os motores e liberando, no lugar do CO2, vapor de água.

O veículo teve lançamento adiado desde 2008 em razão de atrasos na fabricação, mas agora está pronto para rodar. Com capacidade para 63 passageiros, funcionará por 60 dias em caráter de teste, e depois será incorporado à frota da cidade, como um ônibus comum.
A partir daí começam a ser fabricados mais três veículos do tipo, que devem ser entregues entre maio e julho de 2010.
“O objetivo agora não é substituir a frota atual, mas estudar o comportamento do transporte limpo numa cidade como São Paulo, em comparação com outros combustíveis, como o diesel”, explica Carlos Zündt, gerente de planejamento da EMTU e coordenador do projeto.

Além dos outros três coletivos, o projeto pressupõe ainda a construção de um fábrica para produzir hidrogênio a partir da eletrólise da água (separação dos átomos de hidrogênio e oxigênio). Com previsão para início das obras em julho, a fábrica deve ficar pronta em seis meses. Até lá, o ônibus que começa a rodar no dia 1º usará hidrogênio produzido a partir do gás natural, um combustível fóssil.

“A premissa é ser totalmente limpo, num ciclo fechado. Começa com água e energia e termina com água e energia”, define Zündt. Por ser abundante e não poluir, o hidrogênio é considerado como uma alternativa promissora aos combustíveis fósseis. De acordo com o gerente de planejamento da EMTU, já existem no mundo mais de 5 mil veículos que usam este gás para conseguir energia. Ele cita dados da IPHE (Sociedade Internacional para a Economia do Hidrogênio , que afirma que em 2015 o combustível já deverá ter uma distribuição em escala, estando presente em postos da Europa e dos EUA (no Brasil, a previsão é que isso ocorra em 2020). Zündt cita ainda outra estimativa do renomado físico italiano Cesare Merchetti (um dos pioneiros na pesquisa do hidrogênio como alternativa energética) de que, em 2080, 90% dos veículos do mundo serão movidos a hidrogênio.
Mas, se o hidrogênio é tão abundante e tão limpo, porque usamos petróleo e seus derivados até hoje como combustível? Um dos motivos é o alto custo de produção do hidrogênio.
O processo de extrair hidrogênio da água através da eletrólise é caro. Zündt, entretanto, coloca outros fatores na conta: “O diesel só é muito mais barato [que o hidrogênio] para os leigos. Ele é o pior combustível que existe. É preciso considerar o gasto público com doenças respiratórias em função da poluição, do enxofre, da chuva ácida. Somando isso, o diesel tem um custo 200 vezes maior do que o hidrogênio”, argumenta.
“Os países já acordaram para essa questão e estão investindo pesado nisso”, afirma o coordenador do projeto. Segundo ele, o Brasil já foi contatado por empresas interessadas em comprar veículos do tipo. A tecnologia do “ecoônibus”, porém, não é somente brasileira. A construção foi possível graças a uma parceira entre diversas empresas (nacionais e internacionais) que trouxeram de fora tecnologia essencial para o projeto, como as células de hidrogênio, responsáveis por “tirar” energia do gás. “Não fabricamos, mas sabemos como grudar as partes”, brinca Zündt. O simples “grudar” não é pouca coisa. É graças à maneira nacional de construção do veículo que o ônibus a hidrogênio brasileiro é o mais barato do mundo, ressalta o gerente da EMTU. A produção desse tipo de ônibus está restrita a um grupo de apenas seis países, do qual o Brasil faz parte e tem ainda China, EUA, Alemanha, Holanda e Japão.

PNUD Brasil - Mariana Desidério

terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin

The report explains the connections between trade and climate changes

The world cannot continue with “business as usual”.
There is a profound need for a successful conclusion
to the current negotiations on both climate change
and trade opening.

The WTO/UNEP report on “Trade and Climate Change” published today examines the intersections between trade and climate change from four perspectives: the science of climate change; economics; multilateral efforts to tackle climate change; and national climate change policies and their effect on trade.
The WTO and UNEP are partners in the pursuit of sustainable development and this report is the outcome of collaborative research between the WTO and UNEP.
“With a challenge of this magnitude, multilateral cooperation is crucial and a successful conclusion to the ongoing climate change negotiations is the first step to achieving sustainable development for future generations,” said WTO Director General Pascal Lamy and UNEP’s Executive Director Achim Steiner.
Both Steiner and Lamy urge the international community to seal an equitable and decisive deal at the crucial UN climate convention meeting in Copenhagen, Denmark in December 2009. They also urge nations to conclude the Doha trade round which includes opening trade in environmental goods and services, a complementary track towards reducing greenhouse gas emissions to scientifically-defensible levels.
The scientific evidence is now clear that the Earth’s climate system is warming as a result of greenhouse gas emissions which are still increasing worldwide, and will continue to increase over the coming decades unless there are significant changes to current laws, policies and actions. Although freer trade could lead to increased CO2 emissions as a result of raising economic activity, it can also help alleviate climate change, for instance by increasing the diffusion of mitigation technologies.
The global economy is expected to be affected by climate change. Sectors such as agriculture, forestry, fisheries, tourism and transport infrastructure which are critical for developing countries are more specifically affected. These impacts will often have implications for trade.
Opening up trade and combating climate change can be mutually supportive towards realizing a low carbon economy the new report says. Contrary to some claims, trade and trade opening can have a positive impact on emissions of greenhouse gases in a variety of ways including accelerating the transfer of clean technology and the opportunity for developing economies to adapt those technologies to local circumstances. Rising incomes, linked with trade opening can also change social dynamics and aspirations with wealthier societies having the opportunity to demand higher environmental standards including ones on greenhouse gas emissions. In addition there is evidence that more open trade together with actions to combat climate change can catalyze global innovation including new products and processes that can stimulate new clean tech businesses.
National policies, from traditional regulatory instruments to economic incentives and financial measures, have been used in a number of countries to reduce greenhouse gas emissions and to increase energy efficiency. The report highlights the effects that this complex web of measures might have on international trade and the multilateral trading system. In recent years, there has been a proliferation of technical requirements (voluntary standards and labelling) related to climate-friendly goods and energy efficiency. Likewise, financial support programmes for the use of renewable energies have also increased recently.
The report also reviews extensively two particular types of pricing mechanisms that have been used to reduce greenhouse gas emissions: taxes and emissions trading systems. Incidentally, the report reflects the debate that is taking place on policies aimed at preventing carbon leakage and protecting competitiveness, including on border measures.
Overall, the report highlights that there is scope under WTO rules for addressing climate change at the national level. However, the relevance of WTO rules to climate change mitigation policies, as well as the implications for trade and the environmental effectiveness of these measures, will very much depend on how these policies are designed and the specific conditions for implementing them.

To read the report:

http://www.wto.org/english/news_e/pres09_e/pr559_e.htm

World Trade Organization

terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin

O governo do Estado de São Paulo e as Filipinas firmaram um acordo de cooperação com para difundir e exportar tecnologias no setor da agroenergia, sobretudo no setor sucroenergético.Assinaram o documento o secretário de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, João Sampaio, e o secretário do Departamento da Agricultura da República das Filipinas, Arthur Yap.O termo foi realizado por meio do Centro de Cana do Instituto Agronômico (IAC), um dos seis institutos de pesquisa da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, estabelece cooperação científica e tecnológica com assistência mútua nas áreas de pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologia, educação e treinamento pessoal.As relações comerciais com as Filipinas apresentam saldo positivo de US$ 221,7 milhões no setor do agronegócio para o Brasil, com uma pauta baseada em fumo não manufaturado, carne bovina e de frango.Para São Paulo, maior produtor de cana-de-açúcar, açúcar, etanol e tecnologias sucroalcooleiras do país, o objetivo é ampliar essa pauta para o setor de agroenergia.O acordo integra uma série de parcerias que o Estado de São Paulo tem feito com outros países nos últimos anos, entre os quais México, Angola, China e Austrália, nas áreas de cana-de-açúcar, batata e pecuária.Em nota publicada na internet, o secretário João Sampaio disse que a pesquisa paulista tem gerado conhecimentos que devem ser exportados. “No caso da cana, podemos contribuir na difusão do etanol pelo mundo, tanto na produção como na sua comercialização e ajudar na sua transformação em commodity”, disse ele.

Agência Fapesp

terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou nesta segunda-feira a saída de Roberto Mangabeira Unger da Secretaria de Assuntos Estratégicos. Ele vai retomar suas funções na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, onde leciona Direito. Mangabeira vinha discutindo com a universidade a prorrogação de sua licença. À frente da pasta desde 2007, ocupava o posto a pedido do vice-presidente da República, José Alencar, filiado ao PRB.
“Ele vai ter que cumprir a função dele em Harvard”, disse Lula a jornalistas, sem informar quem será seu substituto.
Chamado por Lula de “ministro das ideias”, Mangabeira dedicou a maior parte de seu tempo no cargo na criação de projetos para a Amazônia, além de uma estratégia na área de Defesa.
Seu projeto de desenvolvimento para a Amazônia foi fonte de tensão com ambientalistas e contribuiu para a demissão da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva em maio de 2008.
Apenas dois anos antes de se tornar ministro, Mangabeira chamou o governo Lula de o mais corrupto da história brasileira.
Mais tarde, disse que havia sido um engano. Político ativo, é conhecido por seus esforços em criar uma alternativa ao neoliberalismo. Como consultor de empresas, Mangabeira atuou, antes de fazer parte do governo, para a Brasil Telecom quando era comandada pelo Grupo Opportunity, de Daniel Dantas.
Com forte sotaque norte-americano, Mangabeira nasceu no Rio de Janeiro em 1947. Depois de se formar na Faculdade Nacional de Direito, obteve o doutorado na Universidade de Harvard, onde começou a lecionar aos 24 anos. O presidente Barack Obama foi seu aluno mais ilustre.

Reuters

Category: NEWS  | Tags: ,  | Leave a Comment
terça-feira, junho 30th, 2009 | Author: admin

A Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional realiza hoje, 30/6/2009, a partir das 14h, audiência pública para discutir o projeto Fogo Zero na Amazônia, elaborado por pesquisadores da Embrapa Amazônia Oriental. O debate foi proposto pelo deputado Fernando Melo (PT-AC).
O projeto recomenda o manejo de capoeira (vegetação que nasceu após a derrubada de floresta) como alternativa ao uso de fogo no campo. A técnica, já adotada por cerca de 100 famílias da Amazônia, consiste no corte, no trituramento e no reaproveitamento da mata verde de forma manual. O método permite que as famílias façam dois cultivos sucessivos na mesma área em vez de um só, pois não precisam mais deixar o solo se recuperando da queimada. Além disso, a terra poder ser preparada em qualquer época do ano.

Ação civil pública
Fernando Melo lembra que os ministérios públicos federal e estadual entraram na Justiça Federal com uma ação civil pública para que a expedição de autorizações para queima de florestas e pastagens no Acre seja extinta a partir de 2011.
O deputado explica que setores do governo estadual, prefeitos de alguns municípios e produtores rurais da região ainda resistem em substituir as queimadas. Ele argumenta que, apesar das propostas e ações para reduzir a prática, as queimadas têm aumentado na região, com prejuízos para o meio ambiente, para a segurança do tráfego rodoviário e aéreo e para a saúde da população.
Foram convidados para o debate a diretora-executiva e pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Tatiana Deane de Abreu Sá; e o engenheiro agrônomo e pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Osvaldo Ryohei Kato.

Agência Câmara

segunda-feira, junho 29th, 2009 | Author: admin

Brazil’s Lula and Sugarcane Industry launch National Labor Commitment

O Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Cana-de-Açúcar foi lançado no dia 25/06/2009, em Brasília, com mais de 75% de adesão do setor sucroenergético. “É um passo decisivo e histórico que trata do presente e do futuro e coloca a adoção das melhores práticas trabalhistas em primeiro plano no setor sucroenergético”, disse o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Marcos Jank.
O lançamento contou com a participação de mais de 400 pessoas no Palácio do Buriti, sede temporária do Executivo Federal, e foi encerrado com discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Em sua fala, Jank destacou que a alma do compromisso é a valorização das melhores práticas trabalhistas por meio da criação de instrumentos de mercado, que as reconheçam como exemplos a serem adotados pelas empresas: “Optamos por elevar os padrões médios de conduta com ações pró-ativas e transparentes, em vez de ficarmos destacando as exceções, que sempre existirão em setores desta magnitude”.
Jank frisou que o compromisso tem caráter evolutivo, portanto temas que não foram acolhidos agora entre as melhores práticas do setor podem no futuro ser considerados. O conjunto de práticas já reconhecidas é fruto dos avanços nas relações capital – trabalho, reconhecidos por todos os agentes envolvidos, seja nas negociações coletivas, seja na adoção de boas práticas.
No total, 303 das quase 400 usinas em atividade no Brasil – 107 delas em São Paulo – confirmaram sua adesão ao compromisso desde o primeiro dia, um número que, segundo Jank, superou de longe as melhores expectativas do setor. Tudo indica, porém, que o total deve continuar crescendo, na medida em que todas as usinas tomarem conhecimento do conteúdo do documento. Para as usinas, assinar o termo de adesão significa cumprir um conjunto de cerca de 30 práticas empresariais exemplares, que em seu conjunto extrapolam as obrigações estabelecidas na lei. Cada usina participante receberá ainda um certificado de conformidade.
Encerrando o evento, o presidente Lula criticou a tributação imposta ao etanol brasileiro por outros países, segundo ele, para impedir a penetração e crescimento do biocombustível brasileiro. Ele também cumprimentou os participantes do acordo. “Empresários e trabalhadores entenderam que, para transmitir o recado do combustível  limpo e renovável que reduz emissões, terão de trabalhar unidos”, afirmou.
Além de representantes da área sindical, dezenas de trabalhadores e empresários do setor, o lançamento do novo Compromisso teve a participação do secretário geral da presidência e coordenador do processo que levou ao novo documento, ministro Luiz Dulci; do ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes; do ministro das Minas e Energia Edison Lobão; do ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel; e do ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Luppi. Também participaram Andre Rocha, representando o Fórum Nacional Sucroenergético; o secretário da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Antonio Lucas, e o presidente da Federação dos Empregados Rurais Assalariados do Estado de São Paulo (Feraesp), Élio Neves.

Brazil’s Lula and Sugarcane Industry launch
National Labor Commitment

Brazil’s Lula, Sugarcane Industry, Labor Groups Announce Landmark Agrement to Improve Labor Conditions in Sugarcane Industry

The Brazilian President, Luiz Inacio Lula da Silva, announced a landmark agreement that further improves labor practices in the country’s sugarcane  industry. Along with President of the Brazilian Sugarcane Industry Association (UNICA), Marcos Jank, President Lula launched the “National Commitment for the Improvement of Labor Conditions in Sugarcane Production.” UNICA said the deal is “a decisive and historic step that deals with the present and the future and places the adoption of better labor practices as the top priority for the sugar-energy industry.”
UNICA’s Jank emphasized that the soul of the new Commitment is the recognition of best labor practices through market tools, which recognize those practices as positive examples for sugar-energy industries to follow: “We have chosen to push up average standards with proactive and transparent measures, instead of accentuating the exceptions, which will always exist in a sector of this magnitude,” he asserted.
He noted that the new Commitment will be constantly evolving, which issues that have not been included among current best practices can still be considered in the future. The set of practices already recognized is the end result of advancements in the relationship between capital and labor that are recognized as positive by all parties involved in the Commitment. These range from collective bargaining processes to how to select and adopt best practices.
Out of nearly 400 sugar and ethanol mills currently operating in Brazil, a total of 303 – 107 of them in the state of São Paulo – have embraced the Commitment from day one, a result that, according to Jank, surpassed the best expectations within the sector. Everything suggests, however, that the total should continue to grow as more mills learn about the initiative. Mills that sign on to the Commitment agree to follow a set of nearly 30 exemplary business practices, most of which surpass minimum requirements established in the law. Each participating mill will receive a certificate of conformity.
As the closing speaker in the event, President Luiz Inácio Lula da Silva criticized tariffs imposed on Brazilian ethanol by other countries, which he described as ways to limit the distribution and growth of the Brazilian biofuel, and he lauded the parties involved in finalizing the Commitment: “Business leaders and workers realized that in order to successfully get the message out about Brazil’s clean, renewable fuel that reduces greenhouse gas emissions, they’re going to have to work together.”
Besides labor leaders, dozens of sugarcane field workers and business executives from the sugar-energy industry, the signing of the new Labor Commitment was also attended by the Secretary-General of the Presidency and project coordinator, Luiz Dulci, Agriculture Minister Reinhold Stephanes, Mines and Energy Minister Edison Lobão, Land Reform Minister Guilherme Cassel and Labor and Employment Minister Carlos Lupi. Also present at the event were the representative of the National Sugar-Energy Forum Andre Rocha, the President of the National Agricultural Workers Confederation (CONTAG), Antonio Lucas, and the President of the Federation of Salaried Rural Workers in the State of São Paulo (FERAESP), Elio Neves.
Unica website

segunda-feira, junho 29th, 2009 | Author: admin

Após a sanção, pelo presidente da República, da MP 458/09, que deu origem à Lei 11.952/09, a Amazônia volta a ser debatida pelos senadores. O senador por Roraima Mozarildo Cavalcanti elogiou o presidente Lula pela sanção da MP.
A senadora pelo Acre e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, propôs uma comissão para fiscalizar a regularização fundiária na região e voltou a criticar vários aspectos da nova lei (discurso reproduzido abaixo).

Marina Silva propõe fiscalizar regularização fundiária da Amazônia

A senadora Marina Silva (PT-AC) voltou a criticar nesta sexta-feira (26) a MP 458/09, sancionada na noite de ontem pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na forma da Lei 11.952/09. O texto estabeleceu regras para uma regulamentação fundiária da Amazônia. Ela afirmou que a nova lei ignorou os dados do zoneamento econômico-ecológico realizado pelos estados. Além disso, observou, o texto dispensou o mecanismo de vistoria das áreas.
- Fiquei estarrecida: pela lei não existiu grilagem na Amazônia nos últimos 20 anos. As pessoas foram para lá por incentivo das políticas públicas, e estão cumprindo a função social da terra. Isso é absurdo e, pior, equivale a dar uma senha para que as pessoas que hoje ocupam irregularmente essas terras, mais tarde tenham suas propriedades regularizadas - protestou.
Marina Silva reconheceu ser a regulamentação fundiária um passo fundamental para dar transparência à posse da terra, mas argumentou não ser possível colocar no mesmo patamar posseiro e grileiro. Ela informou que proporá a criação de uma comissão de senadores, no âmbito da Comissão de Direitos Humanos (CDH), para percorrer as áreas mais conflituosas da posse de terras na Amazônia e elaborar um relatório das irregularidades encontradas.
Para a senadora, há áreas demarcadas por posseiros legítimos há décadas, mas boa parte dessas pessoas pode ser convencida por grandes proprietários a vender suas terras e, pouco a pouco, haverá uma reconcentração de terras. Ela disse, ainda, não ser possível ignorar a existência de muitos grileiros, que terão suas terras legalizadas. Marina Silva defendeu a necessidade de mudar os paradigmas relacionados à Amazônia e à ocupação de suas terras.

Agência Senado

DISCURSO MARINA SILVA (Bloco/PT – AC) - Sem revisão da oradora

Sr. Presidente, Srs. Senadores, venho a esta tribuna para falar de dois assuntos. Um deles diz respeito à Medida Provisória nº 458, que agora se transformou na Lei nº 11.952.
(…)
A medida provisória tem um problema, um problema de origem, porque, no meu entendimento, como falei anteriormente, nunca deveria ter sido feita dessa forma, utilizando-se este mecanismo: o expediente da medida provisória. Deveria ser um projeto de lei.
Quando fizemos o plano de combate ao desmatamento, um dos eixos do plano de combate ao desmatamento era o ordenamento territorial e fundiário, dentro do qual estava prevista a regularização fundiária. A regularização fundiária, se feita corretamente, tem, sim, um alcance importante, principalmente a tentativa de esclarecer, de estabelecer claramente os direitos de propriedade na Amazônia. Com esses direitos claramente estabelecidos, ela permitiria maior transparência, maior condição de fiscalização, de ação para os agentes públicos, em relação àqueles que se tornariam detentores daquelas áreas para as sua atividades produtivas.
As demais áreas teriam a sua destinação como unidade de conservação, de proteção integral, uso sustentável, como terras indígenas ou como terras da União, para as finalidades a que a União as destinasse.
Agora, do jeito que foi feito, no meu entendimento, acho que não se favorece esse ideário, essa visão correta de regularização fundiária, que deveria, inclusive, ter considerado as contribuições já elaboradas nos Estados, como é o caso do zoneamento ecológico e econômico feito pelo Estado do Acre, pelo Estado de Rondônia e por outros que estão em fase de finalização.
Digo que a medida provisória, agora lei, sancionada ontem pelo Presidente com o veto do artº 7º, ainda que um artigo muito importante a ser vetado… Eu tinha feito a carta aberta, fiz a carta aberta ao Presidente da República pedindo três vetos e devo dizer, Sr. Presidente, ainda que não tenha tido a oportunidade de um diálogo com o Presidente Lula ou alguém da sua assessoria mais próxima, que acho que foi a melhor forma de ajudar, de contribuir para com essa situação, primeiro porque houve uma grande manifestação da sociedade, dando sustentabilidade política para os vetos. O Presidente, com certeza, deve ter-se sentido respaldado, porque milhares e milhares de pessoas tanto mandaram e-mails, como telefonaram de todas as partes do Brasil, pedindo que fossem feitos os vetos na forma que foi encaminhada pela carta aberta ao Presidente.
Entendo que os dirigentes públicos, que os governantes, em alguns momentos, precisam do claro sinal da sociedade para que se sintam seguros em relação a determinadas questões, que, se não forem adequadamente encaminhadas, acarretarão graves prejuízos para o conjunto da sociedade.
Acredito que o veto ao art. 7º significou a ação da sociedade e a compreensão por parte do Governo de que era inaceitável que se rompesse com o preceito constitucional de que só pode fazer alienação de terras públicas mediante o cumprimento da função social da terra e do relevante interesse social. Se esses artigos não tivessem sido vetados, eles, com certeza, teriam uma ação de inconstitucionalidade, porque são claramente inconstitucionais. Havia outros artigos que não foram vetados, como, por exemplo, o art. 13, que estabelecia o veto à dispensa da vistoria. Mas, Sr. Presidente, ainda que não tenha sido vetado, o projeto de lei diz que está dispensada a vistoria de 100 hectares a quatro módulos fiscais, mas não está dito que está proibido. Então, eu espero sinceramente que o Ministro Guilherme Cassel, que é uma pessoa comprometida com a reforma agrária, com a defesa dos direitos humanos, que ele estabeleça urgentemente, juntamente com os demais setores do Governo, com o próprio Presidente Lula, um processo de regulamentação, para que se tenha toda a transparência e acompanhamento daqueles casos que, com certeza, não atendem aos princípios da posse mansa e pacífica.
Fico estarrecida – e fiquei estarrecida – ao ouvir de algumas pessoas o que eu jamais imaginei que ouviria: que não existe grilagem na Amazônia, que todas as pessoas foram para lá incentivadas por políticas públicas.
Se isso é verdade, então o recorte deveria ter sido até os programas feitos na época da ditadura militar. E o que aconteceu nos últimos quinze, vinte anos para cá, após toda uma legislação estabelecida depois da promulgação da Constituição de 1988, toda lei infraconstitucional que veda a ocupação irregular, mediante a especulação fundiária, a grilagem, o uso da violência, ao desmando em termos do cumprimento da legislação ambiental? Então, dizer que não houve grilagem de terra na Amazônia nos últimos vinte anos é, no mínimo, considerar ou querer aviltar a inteligência das pessoas que conhecem a natureza dos problemas, e daqueles que vivem a natureza dos problemas e daqueles que têm bom senso para os problemas da Amazônia! São 60% do Território Nacional, a última fronteira a ser ocupada, e que vem sendo ocupada a sangue e ferro em muitos casos, e dizer que não houve grilagem nos últimos quinze, vinte anos, tratar como fato consumado, dizer que o que está lá está lá! Então, vamos regularizar, é dar uma senha para que, daqui para a frente, aqueles que já estão preparados para ocuparem novas áreas contem com a expectativa de que, daqui a alguns anos, eles terão também as áreas que ocuparam ilegalmente regularizadas. Eu repeti várias vezes que não estavam em jogo as pessoas que têm direito: os que foram estimulados por políticas públicas, aqueles que cumprem a função social da terra e os que se caracterizam como pessoas de interesse social relevante.
A origem dos problemas que eu posso identificar com essa medida provisória, e agora com essa lei, está da seguinte forma: parte desse princípio equivocado do fato consumado, de que o Dr. Mangabeira Unger é o maior porta-voz, inclusive fazendo comparações com outras realidades que, no meu entendimento, não são comparáveis. Querer comparar a ocupação da Amazônia em pleno século XXI com o que aconteceu com os Estados Unidos no século XIX e início do século XX é não ter o alcance do desafio civilizatório que nós temos, da necessidade de mudança de paradigmas para apontar para o futuro. O futuro de uma forma, aí, sim, estratégica, e não casuística, para tentar resolver problemas pontuais em cima dos interesses de todos os brasileiros.
Essa visão de fato consumado é altamente equivocada. A visão de fato consumado leva à anistia de pessoas que ocuparam terras na Amazônia após o período de incentivo do governo militar, nos anos 70. E essas pessoas deveriam, então – se era esse o argumento –, ter feito esse recorte e não ter chegado até 1º/12/2004. Dizer que, da década de 70 para 2004, todas as ocupações foram feitas mediante esses programas é, no mínimo, desconhecer a realidade das políticas da Amazônia.
Também não estabelece claramente os mecanismos de separação entre posseiros e grileiros, nem estabelece formas de checagem dos requisitos constitucionais por meio da vistoria, apostando tão somente nos processos de autodeclaração.
Agravamento dos problemas, sobre os quais falei anteriormente aqui, no Congresso Nacional. No Senado, não tivemos nenhuma emenda, porque o que foi feito na Câmara dos Deputados foi aprovado da forma como veio. Mas existem sérios problemas que o Congresso Nacional, através da Câmara dos Deputados, conseguiu agravar: a extensão do direito à grilagem para prepostos, empresas e funcionários públicos, que foi vetado agora com o art. 7º; a redução do tempo para a venda da terra para grandes. Ou seja, daqui a três anos, aqueles que ficaram com a maior área, cerca de 54 milhões de hectares, poderão vender essas terras para aumentar os seus patrimônios, em prejuízo de todos os brasileiros. Aliás, esses três anos, incorretamente, permaneceram dez anos para as pessoas que ocupam pequenas propriedades.
O veto do Presidente ao art. 7º atinge os prepostos e as empresas, mas não o art. 13, da dispensa de vistoria. Como já disse anteriormente, o fato de não tê-lo vetado não significa que não possa fazê-lo. Há um apelo neste momento para que todos os mecanismos sejam criados para que essa vistoria aconteça.
Eu já falei que a atitude do Presidente contou com o forte respaldo da opinião pública nacional e com a mobilização da sociedade. E eu me junto a essa mobilização, porque só acredito em mudanças que envolvam efetivamente os grandes setores da sociedade, ainda que em alguns momentos o gestor público tenha que se expor, mesmo quando tem de fazer medidas que são impopulares para alguns setores.
Diante de tudo isso, Sr. Presidente, é que apresentei, junto à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, o seguinte requerimento:

“Requeiro, nos termos regimentais, baseada no art.70 do Regimento Interno, a constituição de uma Subcomissão Temporária da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, para acompanhar a execução da regularização fundiária na Amazônia, proveniente da Lei nº 11.952, de 2009, que dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União, no âmbito da Amazônia Legal, e altera as Leis nºs 8.666, de 1993, e a Lei nº 6.015, de 1974.”

Por que a necessidade dessa Subcomissão no âmbito da Comissão de Direitos Humanos? Para que o Congresso Nacional – no caso, o Senado – possa arcar com parte da responsabilidade daquilo que temos dito aqui: que não vamos favorecer grileiros, e não vamos favorecer aqueles que usam da violência e do dolo para aumentarem o seu patrimônio, em prejuízo de comunidades locais, de pessoas fragilizadas, que não têm a menor condição de fazer a disputa, agora que se tornou viável, palpável a privatização de 67 milhões de hectares de terras na Amazônia.
Eu defendo essa Subcomissão para que os Srs. Senadores – e eu desde já me coloco à total disposição para fazer parte dessa Subcomissão – possam visitar as áreas mais difíceis que nós temos de conflitos na Amazônia, nos Estados do Pará, de Rondônia, de Mato Grosso, do Acre, onde quer que existam os conflitos, para que as pessoas possam ter a oportunidade de, pelo menos, colocar para o Congresso Nacional, para o Senado da República, a natureza dos problemas que estarão enfrentando. Até porque, com a certeza da regularização, da privatização, muitas áreas que estão apenas demarcadas “teoricamente” – entre aspas – por aqueles que agora se sentem no direito de regularizá-las em seus nomes, estão cheias de pessoas, pessoas simples, pessoas humildes, que moram há 20, 30, 50 anos como extrativistas e que não terão como ter advogados, não terão como competir para provar que são posseiras daquelas áreas. E também para evitar o laranjal nas propriedades até 400 hectares, ou quatro módulos fiscais. Uma boa parte de pessoas pode ocupar essas áreas e depois elas serão vendidas para aqueles que querem fazer a reconcentração fundiária. Além do que, de 1.500 em 1.500 hectares, também poderá haver esse processo de reconcentração para que essas áreas, que podem ser consideradas médias, sejam transformadas em latifúndios.
Esse requerimento vai ser apresentado já agora, Sr. Presidente, na Comissão de Direitos Humanos, e eu espero que se constitua, no âmbito da Comissão de Direitos Humanos, essa comissão de acompanhamento, porque, ainda que tenhamos tido esse gesto do veto do art. 7º, não foram vetados os demais artigos.
E, como eu disse várias vezes, a lei já tinha problemas na origem, e esses problemas não foram sanados.
Vou repetir aqui: talvez, essa seja uma das piores coisas que estejamos fazendo após as políticas de ocupação da Amazônia durante o período da ditadura militar. Há uma diferença: naquela época, não havia a infraestrutura que hoje existe, não tínhamos a possibilidade de deslocamento que hoje temos, não havia a estrutura de comunicação nem a quantidade de pessoas que há hoje. Portanto, será bem mais grave o impacto dessa medida provisória daqui a alguns anos.
O que se está fazendo com as tentativas de flexibilização da legislação ambiental brasileira e com essa medida provisória é um processo do qual vamos ver os efeitos daqui a algum tempo. Ainda estamos vivendo a queda do desmatamento por causa do Plano de Combate ao Desmatamento, que começou a ser implementado a partir de 2004, somando-se a ele as medidas tomadas no final de 2008, que levaram a mais redução de desmatamento, e, agora, a crise econômica. Quando voltar o processo de crescimento econômico no Brasil, essas pessoas que agora estão recebendo essas áreas com a regularização terão a possibilidade de desmatar legalmente treze milhões de hectares, ou seja, 20% da área, descontado o que já foi desmatado até agora. Isso é muito grave, Sr. Presidente.
Essa comissão de acompanhamento, no meu entendimento, deverá, primeiro, fazer todo o esforço para contribuir com as medidas no processo de regulamentação, para que haja fiscalização, para que haja controle e total transparência, envolvendo o Ministério Público, envolvendo a academia e os representantes do setor agrário, tanto de pequenos quanto de grandes. Ao mesmo tempo, essa comissão deve esforçar-se para que o Plano de Combate ao Desmatamento e o Plano Amazônia Sustentável sejam considerados; para que o zoneamento ecológico e econômico dos Estados seja considerado; para que as áreas prioritárias para preservação da biodiversidade sejam respeitadas. Que se leve em conta todo o esforço que vem sendo feito nesses últimos anos para haver uma política de desenvolvimento sustentável para a Amazônia! A ideia de que esse é um fato consumado nos levará a perpetuar esse modelo predatório.
Como alguém já disse, aqueles que amam a Amazônia apenas pelo lucro que ela lhes pode dar, mesmo temporariamente, perdoarão o modelo predatório de desenvolvimento, mas aqueles que amam e respeitam a Amazônia por ela ser a Amazônia – parafraseando quem disse que aqueles que amam a França por ela ter uma vocação militar perdoariam o exército de 1870, mas que aqueles que amam a França por ela ser a França iriam reformar o exército de 1870 – lutarão para mudar o modelo de desenvolvimento da Amazônia, na área da pecuária, da agricultura e da exploração florestal; lutarão para que a economia seja diversificada; lutarão para mudar os paradigmas. E não farão o discurso fácil, que rende aplausos, que anistia todo mundo, que leva tudo para o senso comum. Lutarão para mudar inclusive isso.

Category: NEWS  | Tags: ,  | Leave a Comment